sábado, 29 de outubro de 2016

Filhos


Perdão


Julgamento 2


Julgamento

Os Sioux têm um provérbio muito interessante: “Antes de julgar uma pessoa, caminha três luas com seus sapatos”. Se referem ao fato de que julgar é muito fácil, entender o outro é um pouco mais difícil. Ser empático é muitíssimo mais complicado. E o julgamento só será justo se vivermos experiências iguais.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Águias


Ajudemos


Sabedoria


Outros

"Não tenho nada a ver com o que é dos outros, seja roupa, gostos, opiniões. Não me escalo para histórias que não são minhas, não me envolvo com o que não me envolve, não tomo emprestado nem me empresto. Se é caso sério eu me dôo, se é bobagem eu me abstenho."

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Cicatriz

"Peço-lhe neste instante que faça o favor de concordar comigo que uma cicatriz nunca é feia. Isto é o que aqueles que produzem as cicatrizes querem que pensemos. Mas você e eu temos de fazer um acordo e desafiá-los. Temos de ver todas as cicatrizes como algo belo. Combinado? Este vai ser nosso segredo. Porque, acredite em mim, uma cicatriz não se forma num morto. Uma cicatriz, significa: “Eu sobrevivi”."

(Abelhinha, personagem de Chris Cleave in Pequena Abelha)


Para sempre


Como dito por Vinícius de Moraes, “que seja infinito enquanto dure”. Não há como viver um amor em sua plenitude se não acreditarmos que ele será para sempre, e, no fundo é mesmo infinito, desde que seja respeitada a indicação de Vinícius. 

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Qual a Sua Linguagem de Amor?

Você já ouviu falar sobre as cinco linguagens do amor? Gary D. Chapman, autor do livro As linguagens de amor afirma que existem cinco formas de você comunicar que ama alguém. Essas cinco formas também o ajudarão a se conhecer e conhecer as pessoas com quem convive. Conhecendo as linguagens você saberá se expressar melhor e fazer com que as pessoas ao seu redor se sintam amadas.
Saber se comunicar é uma arte. É algo de extrema importância para qualquer pessoa, e crucial para um líder. Sabemos que grande parte da nossa comunicação vem de formas além das verbais e isso se reflete também nas linguagens de amor. Fazendo uma analogia aos idiomas, não adiantaria em nada alguém fazer um belo discurso, utilizando palavras bonitas, com uma voz adequada e uma boa articulação se o idioma usado não é entendido por quem escuta. Na linguagem de amor ocorre de forma muito parecida. Se você apenas se comunica em um tipo de linguagem, bem provavelmente as pessoas que não entendem essa sua forma de se expressar não se sentem amadas.
Procure descobrir qual é a sua própria linguagem de amor e de seu cônjuge, filhos e liderados, assim você conseguirá se comunicar de forma mais eficiente, colocando em prática as demais linguagens que talvez não sejam tão fáceis para você. No início será necessário esforço para “falar” em uma linguagem que não é natural, mas o resultado valerá todo o investimento. Sugiro a todos a leitura do livro, pois aqui apenas mencionaremos de forma sucinta quais são as 5 linguagens.

1. Palavras de afirmação

Close-up of hands of sporty young beautiful woman in white clothes meditating indoors focus on arms in Namaste gesture ** Note: Shallow depth of field
“Um bom elogio pode me manter vivo durante dois meses” Mark Twain.
Uma forma de se demonstrar amor pelas pessoas é utilizar palavras que edificam, que constroem, que as valorize.
A ansiedade no coração deixa o homem abatido, mas uma boa palavra o alegra. Provérbios 12:25
A morte e a vida estão no poder da língua; e aquele que a ama comerá do seu fruto. Provérbios 18:21
Elogios verbais e palavras de apreciação são poderosos comunicadores do amor. Quem possui essa forma como principal linguagem se sentirá muito bem quando ouvir frases e expressões como: “Você ficou tão elegante com esse terno!”, “Você está muito bem com esse vestido!”, “Seu trabalho ficou excelente, parabéns!”.
Quem é adepto desta linguagem se sentirá encorajado ao ouvir palavras de incentivo e ânimo. Em contrapartida, as pessoas que possuem palavras de afirmação como principal linguagem possuem maior dificuldade em lidar com críticas, pois estas palavras trazem um grande mal estar e desânimo.
Como líder, observe quem dos seus liderados utiliza essa linguagem e busque se comunicar com ele também dessa forma. Ele se sentirá valorizado e honrado.

2. Tempo de qualidade

Essa linguagem de amor se refere ao tempo de atenção que uma pessoa se dedica a outra, sem dividir esse tempo com outras tarefas. Demonstrar tempo de qualidade não significa ficar ao lado de alguém e não interagir diretamente com a pessoa, não é se sentar ao lado e ler um livro ou ver televisão. Quando o tempo é gasto dessa forma, quem recebe a atenção são as coisas e não quem está com você. Se comunicar nesta linguagem significa dar total atenção a quem está com você, olhando de frente, interagindo com o assunto, conversando e se importando verdadeiramente com o outro. 
Quando seu liderado se comunicar nesta linguagem, provavelmente gostará de passar mais tempo com você, para conversar e interagir. Busque tratá-lo também com atenção, com um tempo dedicado para o orientar de forma detalhada e atenta.

3. Dar e receber presentes

qual-a-sua-4
Você gosta de ganhar presentes? Você gosta de dar presentes? Dar e receber presentes é uma linguagem bem singular. Os presentes dados e recebidos não precisam, necessariamente, ter um alto valor financeiro. Por exemplo, muitas crianças fazem desenhos para dar a seus pais, irmãos, tios e avós. Para elas, esses papéis coloridos são preciosos presentes, são uma forma de dizer que amam e se importam. Muitas pessoas gastam tempo pensando em coisas criativas para presentear: surpresas, cartazes, fotografias, entre outras coisas.
Se você é do tipo que sempre quando viaja, pensa em trazer lembranças para seus amigos, que nunca se esquece de comprar um presente nos aniversários, e que até mesmo se desaponta quando as pessoas se esquecem de o presentear, provavelmente esta é a sua linguagem. É bem provável que a sua forma de comunicar amor é dando presentes. Como líder, repare em como se comportam seus liderados. Se identificar algum com essas características, fale com ele também nessa linguagem, para expressar sua admiração, quando necessário. Não há necessidade de presentes caros, o importante é a demonstração de lembrança.

4. Formas de servir

Você é uma pessoa ou conhece alguém que gosta sempre de agradar servindo aos outros? Se você é uma daquelas pessoas que está sempre disponível para ajudar, independentemente da hora e local, provavelmente esta seja a sua linguagem de amor. Para pessoas com esta forma de comunicação, o amor está relacionado ao fazer. Há um bom exemplo sobre isso na Bíblia. Você se lembra de Marta, irmã de Maria e Lázaro? Ao saber que Jesus se aproximava, ela dava início a arrumação da casa. Pessoas com essa linguagem estão sempre envolvidas em alguma atividade no trabalho, na escola e na igreja. Como líder, repare em quem possui essa característica. Entregue a essas pessoas os trabalhos relacionados a ajudar aos outros para que se sintam realizadas e mostre amor por elas realizando gestos também de serviço.

5. Toque físico

qual-a-sua-1
O toque físico é outra forma de demonstrar amor pelas pessoas e uma das linguagens mais fáceis de perceber. Se você gosta de abraçar, gosta de dar as mãos a quem ama, e além disso gosta de receber carinho físico, você provavelmente possui essa linguagem de amor como a principal.
Pare e pense: você conhece alguém que sempre procura te abraçar, que conversa encostando, tocando em você? Se a resposta é sim, provavelmente esta é a forma que essa pessoa está dizendo que você é importante para ela, mesmo que ela nunca use as palavras para isso.
Como líder, repare em seus liderados quais também gostam de tocar, conversar segurando no ombro ou no braço. Estes provavelmente possuem também esta linguagem.
Ainda há tempo, escolha a liderança
Cristiano R. Costa

E adoro


O Maravilhoso Mundo dos Intensos.

Ser intenso é ser mais do que inteiro. Mais que completo. 
É ser transbordante. Abundante.
Eu acho lindo quem não admite ser raso. Quem se entrega, se doa, quem faz e acontece. Quem encara um desafio só pelo gostinho, quem sai da platéia e vai ser jogador.
Quem se joga e quem joga, até descalço. Não importando que faltem 
10 minutos pra acabar a partida.
Gosto de gente que enfrenta, que luta, que argumenta, que esgota até dizer chega.
Admiro quem não se cala, quem tem palavras de sobra,
quem inventa moda e não sossega.
O MARAVILHOSO MUNDO DOS INTENSOS02
Gosto da bravura, da luta, da lágrima. Me encanto com pessoas e verdades inteiras, sem vírgulas, sem traços, sem “se”.
Adoro surra de like, surra de áudio, surra de beijo.
Gosto de firmeza. Nas promessas, palavras e apertos de mão.
Os abraços, gosto mesmo daqueles de verdade, os generosos, os de faltar o ar, os quebra-costela.
Rir até doer a barriga.
Dançar até doer o pé.
Experimentar, ousar, explorar, movimentar, mergulhar. Adoro.
Adoro quem faz questão, quem tenta até o último suspiro e quem suspira 
de tanto tentar.
Adoro corações transbordantes e mesas fartas.
Não é o simples exagerar, desperdiçar, esbanjar. Mas é além do completar, sustentar, abastecer. Algo que flutua entre esses dois universos, onde jamais se passa fome nem vontade.
Tom pastel, monotonia, tofu e meias porções nunca me serviram bem.
Intensidade aqui meu caro, é prato cheio.
(Estela Meyer)

terça-feira, 18 de outubro de 2016

O cérebro humano mede o tempo por meio da observação dos movimentos

Se alguém colocar você dentro de uma sala branca vazia, sem nenhuma mobília,sem portas ou janelas, sem relógio.... você começará a perder a noção do tempo.


Por alguns dias, sua mente detectará a passagem do tempo sentindo as reações internas do seu corpo, incluindo os batimentos cardíacos, ciclos de sono, fome, sede e pressão sanguínea.

Isso acontece porque nossa noção de passagem do tempo deriva do movimento dos objetos, pessoas, sinais naturais e da repetição de eventos cíclicos, como o nascer e o pôr do sol.

Compreendido este ponto, há outra coisa que você tem que considerar:
Nosso cérebro é extremamente otimizado. Ele evita fazer duas vezes o mesmo trabalho.

Um adulto médio tem entre 40 e 60 mil pensamentos por dia.Qualquer um de nós ficaria louco se o cérebro tivesse que processar conscientemente tal quantidade. Por isso, a maior parte destes pensamentos é automatizada e não aparece no índice de eventos do dia e portanto, quando você vive uma experiência pela primeira vez, ele dedica muitos recursos para compreender o que está acontecendo. É quando você se sente mais vivo.

Conforme a mesma experiência vai se repetindo, ele vai simplesmente colocando suas reações no modo automático e 'apagando' as experiências duplicadas.

Se você entendeu estes dois pontos, já vai compreender porque parece que o tempo acelera, quando ficamos mais velhos e porque os Natais chegam cada vez mais rapidamente.

Quando começamos a dirigir automóveis, tudo parece muito complicado, nossa atenção parece ser requisitada ao máximo. Então, um dia dirigimos trocando de marcha, olhando os semáforos, lendo os sinais ou até falando ao celular ao mesmo tempo.

Como acontece?
Simples: o cérebro já sabe o que está escrito nas placas (você não lê com os olhos, mas com a imagem anterior, na mente); O cérebro já sabe qual marcha trocar (ele simplesmente pega suas experiências passadas e usa , no lugar de repetir realmente a experiência).
Ou seja, você não vivenciou aquela experiência, pelo menos para a mente. Aqueles críticos segundos de troca de marcha, leitura de placa são apagados de sua noção de passagem do tempo.
Quando você começa a repetir algo exatamente igual, a mente apaga a experiência repetida.
Conforme envelhecemos as coisas começam a se repetir - as mesmas ruas, pessoas, problemas, desafios, programas de televisão, reclamações, -.... enfim... as experiências novas (aquelas que fazem a mente parar e pensar de verdade, fazendo com que seu dia pareça ter sido longo e cheio de novidades), vão diminuindo.
Até que tanta coisa se repete que fica difícil dizer o que tivemos de novidade na semana, no ano ou, para algumas pessoas, na década. Em outras palavras, o que faz o tempo parecer que acelera é a...ROTINA

A rotina é essencial para a vida e otimiza muita coisa, mas a maioria das pessoas ama tanto a rotina que, ao longo da vida, seu diário acaba sendo um livro de um só capítulo, repetido todos os anos.
Felizmente há um antídoto para a aceleração do tempo: M & M(Mude e Marque).

Mude, fazendo algo diferente e marque, fazendo um ritual, uma festa ou registros com fotos.

Mude de paisagem, tire férias com a família (sugiro que você tire férias sempre e, preferencialmente, para um lugar quente, um ano, e frio no seguinte) e marque com fotos, cartões postais e cartas.
Tenha filhos ou animais de estimação (eles destroem a rotina)

Sempre faça festas de aniversário e para você (marcando o evento e diferenciando o dia).

Use e abuse dos rituais para tornar momentos especiais diferentes de momentos usuais.

Faça festas de noivado, casamento, 15 anos, bodas disso ou daquilo,bota-foras, participe do aniversário de formatura de sua turma, visite parentes distantes, entre na universidade com 60 anos, troque a cor do cabelo, deixe a barba, tire a barba, compre enfeites diferentes no Natal, vá a shows, cozinhe uma receita nova, tirada de um livro novo.

Escolha roupas diferentes, não pinte a casa da mesma cor, faça diferente.

Beije diferente sua paixão e viva com ela momentos diferentes. Vá a mercados diferentes, leia livros diferentes, busque experiências diferentes.

Seja Diferente!
Se você tiver dinheiro, especialmente se já estiver aposentado, vá com seu marido, esposa ou amigos para outras cidades ou países, veja outras culturas, visite museus estranhos, deguste pratos esquisitos.... em outras palavras... V-I-V-A. !!!
Porque se você viver intensamente as diferenças, o tempo vai parecer mais longo. E se tiver a sorte de estar casado(a) com alguém disposto(a) a viver e buscar coisas diferentes, seu livro será muito mais longo, muito mais interessante e muito mais v-i-v-o... do que a maioria dos livros da vida que existem por aí.

Cerque-se de amigos.
Amigos com gostos diferentes, vindos de lugares diferentes e que gostam de comidas diferentes.
Enfim, acho que você já entendeu o recado,não é?

Boa sorte em suas experiências para expandir seu tempo, com qualidade, emoção, rituais e vida.

ESCREVA em TAmaNhos diFeRenTese em CorES difErEntEs!

CRIE, RECORTE, PINTE, RASGUE, MOLHE, DOBRE, PICOTE, INVENTE, REINVENTE...

V I V A !!!

Seus Hábitos fazem o seu Destino

* Por Adriana Cubas
Gandhi em sua infinita sabedoria, dizia que as nossas crenças se transformam em pensamento, os pensamentos se transformam em palavras, as palavras se transformam em ações, as ações se transformam em hábitos, os hábitos se transformam em valores e nossos valores nos levam ao nosso destino.
Ou seja, os hábitos que você cultiva hoje, fazem parte da construção de sua vida futura. É a qualidade dos nossos hábitos que influencia diretamente a nossa qualidade de vida.
Vamos usar um exemplo bem habitual.
Uma pessoa sente fome todos os dias às 16h, e todos os dias ela vai até a loja de doces próximo ao trabalho, compra uma barra de chocolate e após comê-la ela se sente melhor e volta ao trabalho mais animada. Faz isso de segunda a sexta, religiosamente. Porém se sente culpada porque está engordando e isso faz com que sua autoestima fique baixa.
Por que será que isso acontece? Por que é tão difícil mudarmos um hábito?
Antes de procurarmos resposta para essa pergunta, é importante entendermos como um hábito se forma.
Segundo *Charles Duhigg, autor do livro “O Poder do Hábito”, um hábito se forma através de três fatores,  chamado de “o loop do hábito”:
Deixa – Rotina – Recompensa
Usando o exemplo acima, a Deixa seria a vontade de comer, a Rotina é ir até a loja de doces as 16h para comprar e comer o chocolate, e a Recompensa é que ela após comer o chocolate se sente melhor e mais animada para o trabalho. Ao ir até a loja de doces ela tem a oportunidade de escapar do stress e da pressão exigidos do trabalho, conversa com as pessoas da loja, consegue relaxar por alguns minutos.
O hábito é a transformação de uma sequência de ações em uma rotina automática, ou seja, nosso cérebro não mensura se isso é bom ou mal para nós, ele simplesmente executa guardando energia para tomada de outras decisões importantes e que necessitam de raciocínio lógico.
Parece complicado não é mesmo? Mas na verdade é simples, a partir do momento que repetimos uma ação diversas vezes, entramos em piloto automático e nosso cérebro se “acomoda” com essas ações. Você pensa quando está escovando os dentes? Que tipo de movimento deve fazer com a escova? Qual a quantidade de pasta de dentes usar? Provavelmente não, você simplesmente executa.
Por isso é tão difícil conseguirmos mudar hábitos, não é algo racional, está ligado a nossa emoções e desejos. A mudança demanda esforço, força de vontade e consciência.
O primeiro passo para mudarmos um hábito é entender de que forma o loop do hábito acontece, em qual momento do dia, qual a emoção ligada ao hábito, se é sempre no mesmo lugar, com as mesmas pessoas, qual a recompensa que você ganha com seu hábito.
No nosso exemplo acima, da moça e a loja de doces, na verdade o chocolate é apenas um dos motivos para ela se sentir melhor. Ao analisarmos, percebemos que outros fatores também proporcionam relaxamento e bem estar, que é a Recompensa desejada. Como ela poderia mudar o hábito de comer chocolates todos os dias, mas mantendo sua Recompensa? Ela poderia ao invés de ir à loja de doces, começar a levar lanches saudáveis para o trabalho e às 16h ir à copa e interagir com seus colegas de trabalho. Ou então ao invés de sair para ir à loja de doces, dá uma volta no quarteirão e ligar para algum amigo, etc.
E isso serve para qualquer tipo de hábito, se você quer adquirir novos hábitos que vão fazer bem para sua vida, ou se deseja se livrar de um mal hábito, substituindo por um novo e melhor. Tudo começa com a consciência de como acontece o processo Deixa-Rotina-Recompensa.
Para motivá-los a começar hoje mesmo uma mudança de hábitos positiva, segue um exercício simples e prático para ser o pontapé inicial:
– Identifique um hábito que queira mudar.
– Identifique qual a Deixa (motivo) e Rotina desse hábito. Anote qual hora do dia, tarde ou noite acontece e qual a rotina executada e escreva qual o sentimento esse hábito lhe causa. Por exemplo, todos os dias das 19h às 21h eu fico navegando no Facebook e quando faço isso me desligo do mundo e me sinto relaxado.
– Identifique que tipo de Recompensa você espera conseguir fazendo esse hábito. No exemplo acima a recompensa é relaxar. A partir do momento que você descobrir qual a recompensa desejada, mude a Rotina do hábito. Faça experimentos diários com novas rotinas que lhe proporcionem a recompensa. Por exemplo, no primeiro dia ao invés de eu entrar no Facebook, vou ler um livro, no segundo dia vou ouvir música, no terceiro vou meditar, etc.
– Anote quais sensações e sentimentos essa mudança de rotina lhe causa, e determine uma delas para seguir durante 21 dias.
No começo é difícil, a tentação de cair nos velhos hábitos é grande, mas lembre-se que se você persistir esse novo hábito será muito mais forte do que o velho.
Fecho esse texto com uma frase do filosofo grego Aristóteles para nossa reflexão:
“Somos aquilo que repetidamente realizamos.”
*Indicação de livro: “O Poder do Hábito”

Excelência


Vamos ajudar


Lei do retorno


Religião

 

Para fazer o BEM


Resignificar


sexta-feira, 14 de outubro de 2016